[:pb]Apostas no ambiente digital para superar a crise[:]

[:pb]Apostas no ambiente digital para superar a crise[:]

[:pb]O cenário de crise que já afetou investimentos e provocou corte em postos de trabalho pode ser superado com uma palavra em especial: colaboração. Em um momento desfavorável, criar o próprio negócio é arriscado e, ao mesmo tempo, representa alternativa, especialmente no ambiente digital, com interações e processos colaborativos cada vez mais difundidos.

O ambiente digital difere das empresas convencionais pela agilidade de processos e possibilidade de testar produtos e serviços em versões beta. Enquanto o modelo tradicional de negócios requer processos burocráticos e custos fixos elevados (locação de ponto e infraestrutura), nos negócios digitais é comum a criação de equipes que trabalham em projetos específicos (com prazo de início e encerramento), gerando motivação extra, reduzindo custos operacionais e, consequentemente, burocráticos.

Enquanto os modelos de negócio tradicionais contam com o que Chris Anderson (autor de livros como A Cauda Longa e Free) chama de pré-filtros (processos e agentes que definem a viabilidade de produtos e serviços), nos negócios digitais é possível mensurar o desempenho pela interação, monitoramento de comentários e menções em redes e ambientes projetados para o esse fim. E a interação vai além da observação de como as pessoas reagem: cria diálogo e incentiva processos colaborativos, com a participação de consumidores para a atualização de aplicativos, softwares ou mesmo produtos físicos.

Exemplos de empresas que nasceram no ambiente digital com ritmo de inovação frenético não faltam: Facebook, Google, Twitter, YouTube e Mozilla (para citar as grandes do mercado), além de grande número de startups que usam dados coletados no processo de análise de comportamento de usuários para desenvolver novas aplicações e criar desdobramentos de negócios.

Apesar das oportunidades surgidas com o universo dos negócios digitais, ele exige cuidados, sobretudo na mudança de pensamento e do entendimento de negócios. Ou seja, por mais que as questões econômicas sejam a mola propulsora, o modelo exige que produtos e serviços respondam a questionamentos diferentes: como o aplicativo vai facilitar a vida das pessoas? Como o serviço vai tornar suas vidas mais leves? O que se propõe vai fazer com que economizem tempo? Que problemas resolve?

O Waze, por exemplo, surgiu para reduzir o tempo perdido no trânsito, contando com a colaboração dos usuários. Já o aplicativo Duolingo auxilia o usuário a aprender novo idioma de forma lúdica, jogando no celular. E o melhor: as empresas patrocinadoras do aplicativo – fazendo com que continue gratuito – recebem conteúdo traduzido, conforme sua demanda.

O ambiente digital também permite que ideias aparentemente despretensiosas, como o aplicativo para a dublagem de frases e músicas Dubsmash, viralizem em curto espaço de tempo. Por quê? Porque o meio digital permite a criação e o lançamento de produtos e plataformas antes mesmo que se tenha modelo de monetização definido.

Mais importante: os negócios digitais vão ao encontro das características das gerações de “millenials”. São pessoas que criam negócios por motivações pessoais, apresentam relação praticamente orgânica com a tecnologia (como extensão de seus corpos) e optam por empreender a se encaixar no mercado de trabalho tradicional. Ao mesmo tempo, essas pessoas serão os consumidores do futuro. A pergunta que deve ser feita é: o seu negócio está preparado para eles?

Fonte: http://blogmidia8.com

 

 [:]

Deixe uma resposta

Fechar Menu
Entre em contato!